Valentim Quaresma

O Valentim começou cedo! A sua carreira iniciou-se ainda durante a escola, quando começou a desenhar joias e acessórios para a Ana Salazar, colaboração que ainda hoje mantém. Em 94, ganhou o concurso de Jovens Criadores da Europa e do Mediterrâneo. No mesmo ano, abriu o seu estúdio em Lisboa...

O Valentim começou cedo! A sua carreira iniciou-se ainda durante a escola, quando começou a desenhar jóias e acessórios para a Ana Salazar, colaboração que ainda hoje mantém. Em 94, ganhou o concurso de Jovens Criadores da Europa e do Mediterrâneo. No mesmo ano, abriu o seu estúdio em Lisboa. Desde então ele nunca mais parou: fez projectos na Mousse, foi convidado a mostrar o seu trabalho em Paris, fez máscaras para o Lux Frágil, em Lisboa, foi júri e fez uma data de instalações, todas elas melhores que as outras!

Este mês ficamos a conhecer o Valentim Quaresma, um dos grandes designers de acessórios em Portugal.

Janela Urbana: Como e quando te interessaste pela joalharia?

Valentim Quaresma: Desde muito cedo, tinha 16 anos, começei por trabalhar numa loja a fazer acessórios de moda, dois anos depois fui para a Escola António Arroio e a seguir para o curso de joalharia do Ar.Co. Foi uma época muito importante pois o Ar.Co abriu-me os horizontes quanto á criação e fez com que a minha paixão pela joalharia crescesse.

Uma palavra para definir o teu trabalho…

Intemporal…O tempo é um elemento muito forte no meu trabalho.

Onde te inspiras para criar as tuas peças? Qual o processo criativo?

Começo por pensar num conceito, pesquiso os materiais que melhor se identifiquem com o espirito do trabalho, exploro as potencialidades ao máximo para me dar mais opções para a criação das peças, á medida que vou fazendo experiências vou seleccionando as ideias e adaptando as formas que vou descobrindo ao corpo até obter resultados que me satisfaçam.

Cada peça torna-se uma obra de arte no seu processo de concepção. Enquanto designer, consideras-te um artista?

Sim…mais artista que designer…

Achas uma área complicada em Portugal? Há oportunidades para jovens designers dentro da tua área?

Não acho que seja uma área complicada, Portugal tem um historial de Joalharia contemporânea forte, mas é preciso ter muita força de vontade e uma paixão muito grande para conseguir vencer todos os obstáculos, quanto ás oportunidades ainda continuo a achar que somos nós que as fazemos.

És o criador de jóias da Ana Salazar. Como te sentes lado-a-lado com este nome de peso?

Orgulhoso, fiz a primeira colecção para a Ana Salazar em 1989 e passado estes anos todos é sempre um grande desafio. A Ana trabalha como uma artista.
O processo criativo é igual á de um pintor ou de um artista plástico o que torna o trabalho muito estimulante.

Tens algum “role-model”?

Tenho, muitos…vivos, mortos e imaginários. Não vou referir nenhum para não ferir susceptibilidades.

Qual o teu “grande” objectivo profissional?

A ideia de trabalhar em cinema fascina-me.

Queremos processar a tua criatividade: Estás em 2050. Como imaginas que seria a campanha ideal para promover o teu trabalho… descreve-nos como seria o teu futuro ideal…

Desde sempre que trabalho com profissionais que estão ligados a outras áreas e como de marketing nao percebo muito, vou deixar isso para eles.

Obrigado Valentim!

www.valentimquaresma.com

Também poderás gostar



Tags from the story
,

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.