Paco Rabanne, Designer and Rebel

O Estoril FashionArt Festival apresenta no Museu Condes de Castro Guimarães a exposição Paco Rabanne, Designer and Rebel. Uma retrospectiva de 16 peças essenciais para compreender a carreira e a personalidade do icónico Paco Rabanne.

O Estoril FashionArt Festival apresenta no Museu Condes de Castro Guimarães a exposição Paco Rabanne, Designer and Rebel. Uma retrospectiva de 16 peças essenciais para compreender a carreira e a personalidade do icónico Paco Rabanne.

Nascido em 1934 no País Basco espanhol, refugiou-se em França com a mãe e as irmãs depois do pai, um militar republicano, ter sido fuzilado pelas tropas de Franco. Apanhado entre duas culturas e sob a forte influência da sua mãe, costureira chefe de Balenciaga, Paco Rabanne inicia, ainda estudante de Arquitectura nas Belas Artes de Paris (1951-63), bem sucedidos trabalhos de criação de acessórios para as principais casas de Moda de Paris. Mesmo sem nunca  exercer, a Arquitectura esteve sempre presente nas suas criações, visível na forma como trabalhou o espaço, os volumes e os materiais.

Em 1966 Paco Rabanne apresentou a sua primeira colecção no Hotel George V, em Paris. O título do desfile foi 12 robes importables en matériaux contemporains e pouco tempo depois as peças de roupa de Rabanne transformaram-se em símbolo de rebelião, novidade e desejo de diferença. Fascinado pela revolucionária criação artística da década de 60 Paco Rabanne integraria no seu trabalho criativo a urgência de novos materiais já sentida pela Arte, trocando o tecido por materiais ultra-contemporâneos. Partindo do metal, papel, plástico e peles sintéticas, e através de uma sábia ponderação de volume e rigidez, transparências e cores, Paco Rabanne quis fundar uma nova relação entre o corpo e a roupa.

Líder de um inovador movimento contemporâneo, Rabanne teve o poder necessário para introduzir nos desfiles de Moda uma série de novíssimos códigos até aí desconhecidos. Assim, transfere as suas apresentações para espaços não convencionais e introduz a música como elemento cénico dos desfiles para os quais são seleccionadas, pela primeira vez, modelos de todas as origens.

Nunca até aqui a cumplicidade entre Moda e sociedade fora tão palpável. As criações de Paco Rabanne transbordaram para a fotografia e para o cinema, marcando o imaginário visual dessa época. Os seus vestidos de plástico e metal foram usados por Françoise Hardy, Brigitte Bardot e Jane Fonda (em Barbarella). A emblemática peça usada por Audrey Hepburn no filme Two for the Road (1967) estará presente na exposição Paco Rabanne, Designer and Rebel.

Mais informações em www.estorilfashionartfestival.com

Tags from the story

Deixa-nos o teu comentário: