ModaLisboa Vision: Nuno Gama

Nuno Gama fez parar o trânsito (literalmente) para apresentar “Panteão”, a sua colecção Outono/Inverno 14/15, com música providenciada pela GNR. Não, não estamos a falar da banda de Rui Reininho, foi mesmo a Guarda Nacional Republicana, e também havia guardas a cavalo e um preview da sua colecção feminina. “Panteão” presta homenagem à imortalidade e, com isso, o criador faz também um desafio à capacidade individual de re-invenção do arquétipo da vida moderna. Resultado: uma colecção pontuada por materiais nobres como a caxemira, pêlo, contrastes mate-brilhante, pormenores de croché, mas com os pés na terra essenciais a uma colecção urbana.

Acompanhem o nosso report desta Modalisboa, aqui.

Qual a Visão que antecedeu a sua colecção?
A visão é sempre a mesma. Não me consigo libertar disto. Abro todos os dias a janela de manhã e tenho uma vista fabulosa sobre Lisboa e sinto-me abençoado. Que bom termos o rio, as nossas praias, uma açorda, um peixinho grelhado. Há coisas fantásticas no nosso país e continuo fascinado. Não consigo sair disto. Depois olho para a minha família, que me ensinou a ter orgulho naquilo que nós somos, na nossa tradição, na nossa história. Poucos povos se podem orgulhar como nós nos podemos orgulhar do que somos, nós é que nos esquecemos disso. Por isso é que bato sempre na mesma tecla.

Qual a Visão para o futuro da sua marca?
Estou quase com 50 anos e há uma coisa fascinante que se descobre quando se chega a esta idade: a vida já não dura a tempo inteiro, dura todos os dias. Agradeces todos os dias por estares cá e trabalhas todos os dias numa coisa feita ao minuto, ao segundo. Adorava olhar para o planeta e vê-lo cheio de bandeirinhas Nuno Gama. Não sei se vou conseguir, mas já começo a olhar para os meus sobrinhos e para os meus afilhados como quem diz “um de vocês que pegue nisto”. Se calhar vai ser mais fácil para eles. Sobretudo quero trabalhar para deixar aqui a minha essência.

Qual a sua Visão da moda em Portugal?
Acho que temos um excelente património, acho que temos uma capacidade criativa e uma capacidade de trabalho incríveis e uma coisa fabulosa: os milagres que fazemos.

Fotografia: Modalisboa/Rui Vasco