Alber Elbaz / Lanvin Manifeste

Foi quase passando despercebida pelo meio da azáfama da semana da moda de Paris, mas num pequeno museu da cidade da luz, decorre uma exposição que nos proporciona um olhar único (e de duração limitada) sobre a mais antiga maison de alta costura parisiense.

Texto: Betty Lee Silva / Fotografia: © But Sou Lai

Passou quase despercebida no meio da azáfama da semana da moda de Paris, mas num pequeno museu da cidade da luz decorre uma exposição que nos proporciona um olhar único (e de duração limitada) sobre a mais antiga maison de alta-costura parisiense.

Alber Elbaz / Lanvin Manifeste é uma espécie de alternativa ao Instagram, que celebra o universo da Lanvin, e do seu director criativo, Alber Elbaz, através da fotografia. Para os fãs da marca, esta é uma oportunidade única de descobrir o que se passa nos seus bastidores. Para Alber, que assume publicamente não usar qualquer tipo de rede social, esta é uma rara abertura de portas a estranhos. O trabalho final é por isso mais introspectivo do que retrospectivo. Fascina pela intimidade, simplicidade e simpatia que, muito à semelhança da própria maison, quase nos faz esquecer estarmos perante um peso pesado da história da moda.

Fotografias profissionais e registos amadores (originalmente apenas para uso interno do atelier) partilham o espaço de forma despretensiosa. Com supervisão do próprio Alber, a exposição conta com imagens de seis fotógrafos reunidas ao longo de uma década: Sou Lai, Mark Leibowitz, Katy Reiss, James Bort, Juliette Da Cunha e Alex Koo. No total são mais de 350 fotografias, dispostas num espécie de labirinto e apresentadas sem grande narrativa. Percorrem tudo – dos desfiles, aos instantes antes dos desfiles, passando pelas provas e a concepção das próprias roupas. E sem gifs, imagens em 3D ou actualizações ao minuto, convidam-nos a desligar os telemóveis e “olhar”, “escutar” e depois então “falar”. Estará desvendado o manifesto de Alber Elbaz?

“Alber Elbaz / Lanvin Manifeste” pode ser visitada até ao final do mês de Outubro, na Maison Européene de la Photographie, em Paris.