Editor’s Choice: Celebration

Durante os dias 21 e 24 de Outubro, entre Lisboa e Porto, o Portugal Fashion Celebration mostrou as mais de 30 colecções de criadores nacionais e indústria, bem como as propostas dos jovens designers do Bloom . Aqui ficam as nossas escolhas do que achámos mais interessante para a próxima estação.

Durante os dias 21 e 24 de Outubro, entre  Lisboa e Porto, o Portugal Fashion Celebration mostrou as mais de 30 colecções de criadores nacionais e indústria, bem como as propostas dos jovens designers do Bloom . Aqui ficam as nossas escolhas do que achámos mais interessante para a próxima estação.

 

Carla Pontes foi, sem dúvida, a melhor surpresa dos desfiles de Lisboa. As colecções minimalistas e delicadas da designer têm sido um dos pontos altos do espaço Bloom, e este ano não foi excepção. A colecção intitulada Alga mostrou-nos peças que se moviam suavemente em materiais de toques aveludados – pele de pêssego e cupro – conjugados com malhas técnicas. Looks descontruídos e de easywear com sobreposições de rede, em tonalidades de nude, cinza quebrados por um azul Yves Klein.

Pedro Pedro apresentou-nos a parte dois da sua colecção Lady In Question. Com um look mais feminino e “assumidamente adulto” o criador decidiu ‘fugir’ um pouco da sua estética sportswear e focar-se na sobriedade e na sensualidade, mas mantendo o conforto e a informalidade. A colecção foi dominada por uma silhueta longílinea, com leves sobreposições de redes e rendas – de formas abstractas que reforçam a ideia do look sensual – e drapeados em materiais como cetins, linhos e jerseys de seda e algodão. Para finalizar o look os sapatos do criador para a estação quente mostram-se com um salto confortável e variam do mais subtil preto e branco até aos mais coloridos.

Júlio Torcato apresentou a colecção Tríptico que se desmembra em três subtemas, o primeiro apresenta uma linguagem mais tailoring com looks mais clássicos mas mantendo uma linguagem moderna e actual com detalhes interessantes. A paleta de cores balança entre os navy e os pretos com alguns apontamentos de branco. O segundo subtema – e esta foi a surpresa da noite – apresenta-nos um look muito dark mas bastante sofisticado e cosmopolita em womenswear com um óptimo trabalho de drapeados e pregas. As cores variaram entre o total look navy e preto. O último subtema entra mais numa onda oversized com uma aura mais urbana e despojada. Cada subtema foi encabeçado por um esteta português como o Miguel Viana, Vera Deus e Nelson Vieira, respectivamente.

Eduardo Amorim é um dos mais recentes Bloomers a ter em consideração. A colecção Untold centra-se na falsa sociedade livre e democrática e na liberdade de expressão adulterada, em que vivemos. Peças de cariz clássico são desconstruídas com diversos pormenores dos quais destaco as faixas que prendem as zonas dos braços e as fitas termocoladas sobrepostas nas costuras. A nível de matérias são de destacar as os materiais de cariz mais técnico que ajudou a dar uma ideia mais moderna e descomprometida à colecção.

Hugo Costa foi, provavelmente, a melhor colecção desta edição do Portugal Fashion! Individual centra-se na aceitação do colectivo pelo indivíduo, destacando o ser individual e único. O que nos transporta, directamente, para os estampados da colecção – e toda a abordagem gráfica – pois não será possível fazer dois estampados iguais e com isso, o criador, pretende individualizar cada peça. Para além disso, o jogo de camadas, o look oversized e os total looks em denim foram os distintivos desta colecção. Para finalizar o look, os maravilhosos ténis do criador.

Nuno Baltazar teve como ponto de partida o filme Out of Africa. As cores, texturas e detalhes da tribo Kikuyu foram a base de construção para esta colecção. As cores marfim, caramelo, terracotas e preto marcaram a paleta de cores do designer com uma silhueta elegante, mas nunca esquecendo um lado urbano e casual nas suas propostas. Destaco os looks em full print para a próxima estação quente. Ainda a complementar o desfile estiveram os sapatos da Samelli Shoes e os óculos de sol da linha Nuno Baltazar.

Luís Buchinho apresentou uma colecção forte e bastante marcada pela década de 80. Para além de ser uma das épocas favoritas do designer, foi ainda nesta que cresceu a sua paixão pela estética visual o que leva a três pontos dentro da sua colecção. A primeira parte mostra-nos uma femme fatale com tonalidades de preto e looks mais estruturados inspirados nos Duran Duran. Uma segunda parte, em que nos leva por um lado mais excêntrico com looks mais desconstruídos, materiais mais nobres em contraste com couro e alguns apontamentos de lantejoulas e, finalmente, mostrou-nos um look mais andrógeno inspirado nas primeiras boysbands. No geral, uma colecção bem pensada com diversos pormenores arrojados – como as calças quebradas e ombros abertos – em contraponto com calças masculinas e casacos oversized.

Todas as imagens: Portugal Fashion