SHO(R)T: Diogo Reis

Diogo Reis tem 20 anos, é de Almada e é estudante de design de moda. Paralelamente dedica-se a uma conta de Instagram em que regularmente actualiza com os seus looks de um estilo street.

Diogo Reis tem 20 anos, é de Almada e é estudante de design de moda. Paralelamente dedica-se a uma conta de Instagram em que regularmente actualiza com os seus looks de um estilo street em parceria com duas amigas, uma dela, a sua namorada. E sim, ele não tem medo de usar um full look branco. Desde que começou, já contou com algumas parcerias de promoção com marcas de streetwear, como a Repto e a NF. Sigam-no e fiquem a par da evolução do estilo deste jovem designer. Até lá, fiquem a conhecer, nesta SHO(R)T um pouco mais sobre ele. 

Qual é a tua primeira memória?

Bem… a primeira memória que me ocorre da minha infância é de quando eu jogava futebol. Em casa da minha avó, lembro-me da bola… era minúscula e maior parte das vezes a chutá-la batia com os dedos no chão, fogo foi uma dor que me recordo até hoje e quando penso nela até me custa engolir. Tenho esta memória pois na altura vivia com os meus avós e não tinha com quem mais brincar então eu montava duas balizas e jogava pelas duas equipas…moral da história saia sempre a ganhar!

O que é que querias ser quando tinhas 12 anos?

Quando tinha 12 anos pensava em ser muita coisa, sonhava alto por assim dizer e realmente algo com que eu queria seguir…era o futebol, mas entretanto sucederam se acontecimentos que me impediram de realizar essa minha vontade. Gosto pela moda sempre tive, sou muito vaidoso e acho que não há reflexo nenhum que me deixe mentir pois onde quer que passe eu verifico se está tudo “okay” com a minha aparência, entretanto este gostinho pelo “fashion world” aumentou então decidi ir ao encontro de projectos que me pudessem dar a vingar neste mundo.

Uma palavra que odeias, e uma que amas…

Uma palavra que odeio: Envelhecer. Uma palavra que amo… talvez: Viver.

Uma coisa que nunca vestirias…

Acho que eu não posso dizer que nunca vestirei algo, faço trabalhos fotográficos que se calhar poderiam me fazer cruzar com aquela peça de roupa que menos gosto, mas um kilt… é talvez uma peça que não faz parte da minha lista de desejos.

O que tens na tua mesa de cabeceira neste momento?

Neste momento na minha mesa de cabeceira… encontra se um livro d’Os Maias, um perfume, um necessaire, um candeeiro, um microfone, um boné, papelada, alargadores e um pacote de batatas fritas! Está uma bagunça.

A coisa que mais te enche de orgulho…

A “coisa” que mais me enche de orgulho neste momento… Sem dúvida é a minha namorada. Ela tem estado a realizar projectos sozinha no qual tem feito um excelente trabalho, não quero dizer que ela é uma rapariga que não se esforça, mas é uma rapariga que desiste facilmente e desta vez está me a provar que realmente consegue alcançar objectivos. O facto de ela não estar a desistir destes projectos, deixa-me muito orgulhoso, porque sei que ela tem sucesso naquilo que faz e deposito muita fé nela!

Se a tua vida fosse uma cena de um filme, ou uma música, qual seria?

Bem, se a minha vida fosse uma música, seria… “Beat it” do Michael Jackson e o porquê? Porque eu vivo para vencer obstáculos. Se fosse uma cena de um filme… talvez a parte final do filme do “Apokalyto” do Mel Gibson, em que o Jaguar Paw, a mulher e os filhos fogem sem um rumo exacto, mas sempre na procura da felicidade.