David Fonseca

Depois de uma entrada directa para o nº 1 do Top Nacional de Vendas no mês passado, após lançamento do seu mais recente álbum “Dream in Colour”, entrevistámos o David para saber um pouco mais sobre ele…

Janela Urbana: Antes de mais… Como se chamam os teus gatos?
David Fonseca: Aimee, Polly e Elvis.

Musicalmente és…
Um músico à procura de novas soluções e de novos sons, uma procura constante e militante.

“Dreams in Colour”? Antes eram a preto e branco?
Não, mas continham mais melancolia. Acho que sempre fiz canções viradas para o passado distante, olhei sempre para os temas de forma longínqua…um olhar sobre o passado. Neste disco existe um olhar mais atento ao presente, ao que me rodeia.

A essência deste álbum é a segunda vida, a vida paralela, o que está por mostrar. Supomos que temos muitas surpresas ainda por mostrar…
Espero que sim! Acredito que uma das razões de estar na música tem a ver com a possibilidade da surpresa, a ideia de que tudo pode acontecer de forma diferente e nova. Acho que essa frescura é essencial ao que faço.

Ser o Nº#1 é algo muito bom!… O que sentes quando as tuas músicas ocupam esse espaço?
Sinto-me sempre surpreendido, especialmente porque nunca penso em tops e números quando faço as canções. É sempre uma surpresa agradável quando, de repente, aquilo que é importante para mim e que me diz alguma coisa venha a ser importante para outros de forma intensa. É um grande elogio que me fazem, deixar que as canções ocupem espaço na vida de alguém.

O teu sonho era ser fotógrafo. A fotografia é uma maneira de captar/interpretar imagens, memórias. Aplicas esse conceito à tua música?
Acho que sim, a fotografia não é muito diferente da música nesse sentido. Olhar de uma forma pessoal para o que nos rodeia e mostrar a outros como se vê o mundo é muito similar nas duas artes.

Como relembras a tua fase nos Silence 4?
Relembro-a com muita alegria, acho que foi uma fase incrível da minha vida e que me permitiu conhecer o mundo da música de forma rápida e intensa. Penso numa certa inocência que envolvia o projecto, o facto de estarmos a começar uma coisa tão pessoal e que se tornou tão gigantesca.

Modéstia à parte… És considerado um dos melhores músicos portugueses da actualidade. Como caracterizas esse “termo”?
Muito obrigado pelo elogio, mas não sei bem o significa a palavra “melhor” neste caso. Acho que ser um bom músico parte muito mais da entrega do músico à sua arte do que o sucesso daí resultante.

Vimos o teu trabalho figurado nos “Webisódios”. Como surgiram e porquê?
Surgiram de forma muito natural…foi-me sugerido fazer um pequeno trecho em vídeo para promover o teledisco de “Superstars” e, de repente, lembrei-me de fazer uma série que envolvesse as pessoas no disco novo e na sua feitura. Acabou por ser, principalmente, um momento onde pude experimentar algumas coisas e de me divertir bastante.

Qual é a primeira coisa em que pensas quando acordas?
“Que horas serão?” (risos)

E qual foi a coisa que pensaste quando nos conheceste (Janela Urbana)?
“Ora aqui está um site que vou visitar com mais atenção!”

www.davidfonseca.com

Subscribe

Subscribe now to our newsletter

Ao clicares nesta caixa, concordas (SIM) com os nossa política de privacidade e armazenamento dos teus dados para (e somente) envio te publicações periódicas sobre os conteúdos que publicamos na Janela Urbana.