Filipe Pinto Soares apresenta “Weapons of a Mass Creation”

[wide][/wide]

A morte é um evento natural e assim se inscreve nos ciclos da natureza. No Homem o pensamento desclassifica a fatalidade da morte. A beleza, o “veritatis splendor”, induz naturalmente o sentimento da imortalidade. Porque limitados, aspiramos ao absoluto, porque precários, aspiramos à perenidade.

A morte , todos o sabemos é o fantasma da guerra e a guerra é recorrente no desenrolar da história por mais absurdo que posa parecer esse desvio do diálogo e do andamento da razão. O fim das guerras é um dos objectivos da civilização. Admite-se a morte, mas não a sua provocação.

Filipe Pinto Soares não aborda directamente estes temas, constrói objectos em que o artista vai ao coração das armas que meticulosamente esventra, depositando aí mensagens inebriantes – a vida e a natureza ameaçadas, o discurso religioso, a inocência abusada.

A exposição intitulada “Weapons of a Mass Creation”, no dia 5 de Junho, 3ª feira, a partir das 19:00h na Galeria Art Lounge, um espaço dedicado à arte contemporânea, com uma forte vertente para a divulgação de artistas internacionais, situada na Rua António Enes 9c, perto do Saldanha, a cargo de Ricardo Tenreiro da Cruz . A exposição estará patente até ao dia 25 de Julho.

 

Deixa-nos o teu comentário: