As Aventuras de Ana O. no Café das Maravilhas
[wide]
Foto: M.A.
Foto: M.A.
[/wide]

Há quem faça limonadas com os limões que a vida dá, mas Ana O. foi um bocadinho mais longe e fez um bolo delicioso para acompanhar a limonada. Desiludida com a sua profissão, a realizadora abriu o Café Maravilha, que está a fazer as delícias dos habitantes de Santa Engrácia.

 

Durante anos, Santa Engrácia foi conhecida pela lenda das obras intermináveis, pelo Panteão Nacional e pelo Campo de Santa Clara, que acolhe a famosa Feira da Ladra às Terças e Sábados. Depois, os anos 90 trouxeram ainda mais agitação ao típico bairro lisboeta: primeiro o Lux, os restaurantes e lojas à beira-rio e, a pouco e pouco, Santa Engrácia foi ganhando novos habitantes e novas atracções. Actores, modelos, músicos, artistas plásticos, juntam-se às velhinhas de pantufas na fila da mercearia, como uma espécie de Bairro Alto, mas mais sossegado e com ruas mais largas.

Ana O., realizadora, chegou a Santa Engrácia em 2010, não para morar, mas para trabalhar num estúdio que partilhava com 18 artistas – ilustradores, realizadores, designers, fotógrafos, portugueses e estrangeiros. Paralelamente ao seu trabalho, houve sempre um desejo de abrir um espaço que preenchesse a falta dos cafés que frequentava em Nova Iorque, onde viveu durante algum tempo: “sempre que me zangava com a realização, dizia: “um dia abro um café” até que cheguei a um ponto de saturação – não em relação à oferta de trabalho, mas mais no que diz respeito à concretização de projectos – e percebi que aquele era o momento”. Quando descobriu o espaço, que durante anos foi uma mercearia, apaixonou-se: “a loja estava alugada nessa altura. Fiquei mais ou menos um ano à procura de um espaço que preenchesse as medidas como este preenchia e não encontrei. Esperei até encontrar o sítio e este acabou por vagar”. Em Julho de 2012, Ana O. e a sua simpática mãe conquistaram, finalmente, Santa Engrácia.

O objectivo de Ana O. era ter um espaço que lhe permitisse manter-se ligada à cultura e às artes e onde pudesse dar largas à sua paixão pela Cozinha. No Café Maravilha, a comida e o Cinema têm uma ligação muito forte: há “fatias com coisas” que prestam homenagem aos realizadores Fellini, Truffaut, Bergman e Tarantino e um Jackie Brownie que os cinéfilos apreciadores de chocolate vão adorar. Todos os dias há bolos caseiros, empadinhas de frango, sopas e pratos para a hora do almoço. Aos Sábados e Domingos, o brunch saboreia-se calmamente, enquanto se lêem os jornais, as revistas e os livros disponíveis numa pequena mesa, perto da entrada.

O Café Maravilha é descontraído, despretensioso, mas com atenção aos detalhes, quer na forma como a comida é confeccionada e apresentada, quer na decoração. Ana O. define o seu café como uma extensão da sua casa, onde dá largas à sua paixão por móveis vintage, e onde os objectos que foi trazendo de vários sítios se juntam para, finalmente, fazerem sentido. Esta sensação de se estar em casa é o que faz com que os clientes voltem e elogiem as “maravilhas”: “as pessoas dizem-me que parece a comida feita pela avó ou pela mãe“.

Mas como nem só de pão e de brownies vive o Homem, há duas semanas começaram os concertos e as exposições na “galeria” Maravilha, com ilustrações de Ricardo Venâncio e um concerto de André Carvalho Trio. A longo prazo, o objectivo é aumentar a oferta de concertos, dinamizar as conversas, os encontros, as tertúlias: “temos já programada uma tertúlia  de ilustração e desenho com um grupo bastante grande”. Alargar o horário aos fins-de-semana também faz parte dos planos: “estamos a pensar em fechar às 22h ou 24h, às Sextas e Sábados. Basicamente, queremos transformar isto num projecto um bocado maior do que ele é neste momento, que foi sempre aquilo que eu pensei”.

Ana O. não põe de parte a ideia de voltar a realizar, mas há um fio condutor que faz com que se sinta feliz no Café Maravilha: “Aquilo que me levou a ser realizadora foi uma coisa muito especial. Há uma magia inerente à comida e às emoções que nos são passadas pela música, pelas imagens, pelos sons e pelos cheiros. É isso que eu tento fazer aqui: dar boas emoções às pessoas”.

Quem passa por Santa Engrácia, já não passa sem um Jackie Brownie.

Café Maravilha | Rua Vale de Santo António, nº13, 1170-376 Lisboa | www.cafemaravilha.net | De Terça a Domingo, das 11h00 às 20h

 

 

 

Subscribe

Subscribe now to our newsletter

Ao clicares nesta caixa, concordas (SIM) com os nossa política de privacidade e armazenamento dos teus dados para (e somente) envio te publicações periódicas sobre os conteúdos que publicamos na Janela Urbana.