Kiriké de Kassé Mady Diabaté em Lisboa a 13 de Abril

O Império Mandinga remonta ao século XIII e a música e os griots, que a praticavam ao mesmo tempo que transmitiam as memórias ancestrais, foram muito importantes para a coesão desse vasto reino da África Ocidental. Kassé Mady Diabaté é descendente de uma das mais importantes famílias griots do Mali e, com apenas sete anos, foi considerado pelos mais velhos como o herdeiro, a reencarnação do seu avô “Jeli Fama” (“O Grande Griot”), por causa da qualidade da sua voz. Actualmente tem 50 anos de carreira e colaborações com nomes fundamentais da música do Mali e não só, como Toumani Diabaté – que encheu, com Sidiki Diabaté, o Grande Auditório da Culturgest em Fevereiro de 2015 -, Eliades Ochoa, Bassekou Kouyate, Lassana Diabaté, entre outros.

O concerto do dia 13 começou com a amizade entre o violoncelista francês Vincent Segal e o tocador de corá Ballaké Sissoko, dois admiradores de Kassé Mady que sonhavam com um projecto em que o cantor fosse o personagem principal. Juntaram mais dois solistas, tocadores de instrumentos tradicionais (n’goni e bafalon), amigos de infância e herdeiros de grandes linhagens de músicos, também eles griots, e gravaram Kiriké, um disco onde estes músicos excepcionais dão largas à sua arte,  com “o homem da voz de veludo” ao centro de tudo.

Kassé Mady tem uma discografia extensa e variada. Kiriké é um disco de reinvenção, e que foi considerado pela revista Songlines, especialista em música do mundo, como  álbum do ano de 2014, para além de numerosas outras distinções.

Este concerto é já no dia 13 de Abril às 21h30 no Grande Auditório da Culturgest, em Lisboa.

Subscribe

Subscribe now to our newsletter

Ao clicares nesta caixa, concordas (SIM) com os nossa política de privacidade e armazenamento dos teus dados para (e somente) envio te publicações periódicas sobre os conteúdos que publicamos na Janela Urbana.